BANCO DE TEXTOS

BERNARDET, Jean Claude. 1980. O que é cinema. Primeiros Passos (9).  São Paulo: Brasiliense. baixar

EASTMAN KODAK COMPANY. O prazer de fotografar: um guia do equipamento e das técnicas de fotografar melhor. São Paulo: Abril Cultural, 1981. baixar

BARBOSA, Andréa; CUNHA, Edgar Teodoro da. Antropologia e Imagem. Rio de janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006. baixar

JORDAN, Pierre. Primeiros contatos, primeiros olhares. Cadernos de Antropologia e Imagem, 1. Rio de Janeiro: UERJ, 1995. baixar

Antropologia, Imagem e Comunicação: diálogos possíveis

GOMES PEREIRA, Pedro Paulo. 2000. Cinema e antropologia: um esboço cartográfico em três movimentos.  Cadernos de Antropologia e Imagem, 10(1): 51-69. baixar

PIAULT, Marc-Henri. “Antropologia e cinema”.  In: Catálogo II Mostra Internacional do filme etnográfico. Rio de Janeiro: Interior Produções, 2004. baixar

MALUF, S.; MAGALHÃES, N.; CAGGIANO, S. 2010. Introdução: As mídias em múltiplas perspectivas. (Sessão Temática Antropologia e Comunicação.) Ilha Revista de Antropologia, 10(2), (ago-dez. 2008). Florianópolis: PPGAS/UFSC. baixar

GINSBURG, Faye. 1999. “Não necessariamente um filme etnográfico: traçando um futuro para a antropologia visual.” In: Eckert, Cornélia e Mont-Mór, Patrícia. Imagens em foco: novas perspectivas em antropologia. Porto Alegre: EdUFRGS. pp. 31-54. baixar

HIKIJI, Rose S. G. 1998. Antropólogos vão ao cinema – observações sobre a constituição do filme como campo. Cadernos de Campo, 7 (7). baixar

BOURDIEU, Pierre. Sobre a Televisão.

DELEUZE, Gilles. Cinema – a imagem – movimento

GINSBURG, Faye; ABU-LUGHOD, Lila; LARKIN, Brian. Media Worlds Anthropology on New Terrain, 2002. baixar

DELEUZE, Gilles. 1990. “As potências do falso”. In: Cinema II: a Imagem-Tempo. São Paulo: Ed. Brasiliense.baixar

BERGER, John. 1982. Modos de ver. Lisboa: edições 70. pp. 9-36 (Cap. 1). baixar

FRANCE, Claudine de. 2000. “Antropologia fílmica. Uma gênese difícil, mas promissora”. In: FRANCE, Claudine. (org.). Do filme etnográfico à antropologia fílmica. Campinas: Ed. da Unicamp.baixar

SILVA, M. A. Eduardo Coutinho e o cinema etnográfico para além da Antropologia. Cambiassú, 7, ano XIX. São Luís: UFMA. pp. 161-174. baixar

CANEVACCI, Massimo. Antropologia do cinema : Do mito a industria cultural. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1990. 175 p.

BERNARDET, J. C. 2003. “Viramundo ou a voz do dono”. In: Cineastas e Imagens do Povo. São Paulo: Companhia das Letras.

LEAL, Ondina Fachel. 1986. A leitura social da novela das oito. Petrópolis: Vozes.

Antropologia Visual

TACCA, Fernando de. A Imagética da Comissão Rondon: Etnografias Estratégicas.  Disponível em http://www.anpocs.org/portal/index.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=4599&Itemid=356

TACCA, Fernando de. Rituaes e festas Bororo. A construção da imagem do índio como “selvagem” na Comissão Rondon. REVISTA DE ANTROPOLOGIA, 45(1). SÃO PAULO, USP, 2002. baixar

BARBOSA, Andréa; CUNHA, Edgar Teodoro da. Antropologia e Imagem. Rio de janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006. baixar

JORDAN, Pierre. Primeiros contatos, primeiros olhares. Cadernos de Antropologia e Imagem, 1. Rio de Janeiro: UERJ, 1995. baixar

SAMAIN, Etienne. “Ver” e “dizer” na tradição etnográfica: Bronislaw Malinowski e a fotografia. Horizontes Antropológicos, 1 (2). Porto Alegre: UFRGS, p. 23-60, jul./set. 1995. baixar

ESPINOSA, Mónica; SCHLENKER, Juana. 2009.  Antropología (y lo) Visual. Antípoda: Revista de Antropología y Arqueología, 9. Bogotá: Universidad de Los Andes.baixar

BITTENCOURT, Luciana. 1994. A fotografia como instrumento etnográfico. Anuário Antropológico, 92. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. baixar

RIAL, Carmem S. 1998. “Contatos fotográficos: nativos, antropólogos, jornalistas e turistas. Diferentes linguagens fotográficas?” In: KOURI, Mauro. (org.) Imagens e Ciências Sociais. João Pessoa: Ed. Universitária UFPB. pp. 203-224.baixar

TURNER, Terence. Mídia visual, política cultural e prática antropológica. Cadernos de Antropologia e Imagem, 3. Rio de Janeiro: UERJ, 1996. baixar

ASCH, Timothy. Porque e como os filmes são feitos. Cadernos de Antropologia e Imagem, 3. Rio de Janeiro: UERJ, 1996. baixar

RIBEIRO, Marcelo Rodrigues Souza. Escrevendo e filmando paisagens imperiais: a ambivalência de Tarzan e o nome político “África”. Artigo apresentando no XVIII Congresso da AILC/ICLA. 2007. baixar

MACDOUGALL, David. De quem é essa história? Cadernos de Antropologia e Imagem, 5 (2). Rio de Janeiro: UERJ, 1997. baixar

MACDOUGALL, David. Novos princípios da Antropologia visual. Cadernos de Antropologia e Imagem, 21 (2). Rio de Janeiro: UERJ, 2005. baixar

CRAWFORD, Peter Ian. Grass: a narrativa visual do nomadismo pastoril. Cadernos de Antropologia e Imagem, 12 (1). Rio de Janeiro: UERJ, 2001. baixar

HUSMANN, Rolf. Uma abordagem científica do cinema etnográfico: Peter Fuchs e a antropologia visual alemã. Cadernos de Antropologia e Imagem, 21 (2). Rio de Janeiro: UERJ, 2005. baixar

MACDOUGALL, David. Mas afinal, existe realmente uma antropologia visual? In: Catálogo II Mostra Internacional do filme etnográfico. Rio de Janeiro: Interior Produções, 2004. baixar

BISHOP, John. A vida através do mito: o desenvolvimento do cinema etnográfico na obra de John Marshall. Cadernos de Antropologia e Imagem, 21 (2). Rio de Janeiro: UERJ, 2005. baixar

BARBOSA, Andréa; CUNHA, Edgar Teodoro da. Antropologia e Imagem. Rio de janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006. baixar

ROCHA, Ana Luiza Carvalho da; ECKERT, Cornelia. “Jean Rouch, encontros e confrontos da sociedade ocidental com a Alteridade/Diferença pelos olhos de um contador de histórias”. In: ZANINI, Maria Catarina Chitolina. Por que “raça”? Reflexões sobre “questão racial” no cinema e na antropologia. Santa Maria: Editora UFSM, 2007. baixar

ROBERTS, Martin. The self in the other: ethnographic film, surrealism, politics. Visual Anthropology, 8. 1996. baixar

PINNEY, Christopher. A história paralela da Antropologia e da Fotografia. Cadernos de Antropologia e Imagem, 2. Rio de Janeiro: UERJ, 1996. baixar

COLLIER Jr., John. 1973. Antropologia Visual: a fotografia como método de pesquisa. São Paulo: EPU/EdUSP.baixar

SAMAIN, Étienne. 2001. Quando a fotografia (já) fazia os antropólogos sonharem: o jornal La Lumière. Revista de Antropologia, 44 (2). São Paulo: USP.baixar

GRIMSHAW, Anna. 2001. The ethnographer’s eye. Cambridge: Cambridge Univ. Press. baixar

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. 2004. Fotografar, documentar, dizer com a imagem. Cadernos de Antropologia e Imagem, 18(1): 27-54.baixar

FELDMAN-BIANCO, Bela; LEITE, Míriam L. M. (orgs.). 2001. Desafios da Imagem. Campinas: Papirus.

MARESCA, S. Olhares cruzados: ensaio comparativo entre as abordagens fotográfica e etnográfica. In: SAMAIN, E. (Org.). O fotográfico. 2. ed. São Paulo: Hucitec; Senac, 2005. p. 129-160.baixar

Introdução à Linguagem Audiovisual

XAVIER, Ismail. 2003. “Introdução” e Cap. 1: “Cinema, Revelação, Engano”. In: O olhar e a cena. Rio de Janeiro: CosacNaif. baixar

EISENSTEIN, Sergei. 2002. “Palavra e Imagem”. In: EISENSTEIN, Sergei. O sentido do filme. São Paulo: Zahar, 2002. pp. 13-50. baixar

BERNARDET, Jean Claude. 1980. O que é cinema. Primeiros Passos (9).  São Paulo: Brasiliense. baixar

XAVIER, Ismail (org). A Experiência do Cinema. Rio de Janeiro: Graal, 1983. baixar

DEREN, Maya. Cinema: o uso criativo da realidade. (1960) 2012. Devires, 9(1). Belo Horizonte: UFMG. pp. 128-149. baixar

Cinema, Uma Janela Mágica

METZ, Christian. O Significante Imaginário, Psicanálise e Cinema baixar

SARAIVA, Leandro; CANNITO, Newton. Manuel, O primo pobre dos manuais de cinema e Tvbaixar

ROCHA, Glauber. Revolucão do Cinema Novo baixar

SALAS DE CINEMA EM SÃO PAULO – INIMÁ SIMÕES baixar

AUMONT, Jacques. 2006. “O filme como representação visual e sonora”. In: A Estética do Filme. 2ª ed. Campinas: Papirus Ed. baixar

Performance e Cinema

FERREIRA, Glauco. 2012. QWOCMAP: (auto)representações de mulheres queer e “de cor” e sua produção audiovisual nos EUA. Artemis, 14. João Pessoa: UFPB. pp. 68-86. baixar

VALCK, Marijke de. 2007. Film Festivals: From European Geopolitics to Global Cinephilia. Amsterdam: Amsterdam University Press. (não há tradução) baixar

ZIELINSKI, Gerald. 2008. Furtive, Steady Glances: On the Emergence and Cultural Politics of Lesbian and Gay Film Festivals. (Tese de doutorado). Montréal: Department of Art History and Communication Studies/McGill University.baixar

BESSA, Karla. 2007. Os festivais GLBT de cinema e as mudanças estético-políticas na constituição da subjetividade. Cadernos Pagu (28): 257-283. baixar

ELLSWORTH, Elizabeth. 2001. “Modo de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também”. In: TADEU, Tomaz (org.). Nunca fomos humanos. Belo Horizonte: Autêntica.baixar

BENJAMIN, Walter. [1936/55] 2000. “A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica”. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da Cultura de Massa. São Paulo: Paz e Terra. baixar

HARTMANN, Luciana. 2004. ‘Revelando’ Histórias: os usos do audiovisual na pesquisa com narradores da fronteira entre Argentina, Brasil e Uruguai. Campos, 5(2):65-86.baixar

PIAULT, Marc-Henri. “Real e Ficção: onde está o problema?” In: KOURY, Mauro Guilherme Pinheiro (Org). Imagem e Memória: Estudos em Antropologia Visual. Rio de Janeiro, Garamond, 2001. baixar

O Cinema e a Cidade

RIBEIRO, Ana Paula A. Múltiplas cidades: representações do Rio de Janeiro no cinema e outras mídias. Recine, 10 (10), 2013.baixar

SILVA, Marcos Aurélio. A cidade de São Paulo e os territórios do desejo: uma etnografia do Festival Mix Brasil de Cinema e Vídeo da Diversidade Sexual. Revista Eco-Pós, 16 (3). Rio de Janeiro: UFRJ, 2013. p. 19-43. baixar

CANEVACCI, Massimo. 2009. Fetichismos Visuais. São Paulo: Brasiliense.baixar

MACHADO, Arlindo. “As linhas de força do vídeo brasileiro”. In: MACHADO, Arlindo (org.). Made in Brasil: três décadas do vídeo brasileiro. São Paulo: Iluminuras/Itaú Cultural. pp. 15-48.

DEVOS, Rafael V. 2007. “Filmes de memória” como hipertextos. Revista Chilena de Antropología Visual, 10. Santiago. pp. 137-162.baixar

SILVA, M. A. 2012. Territórios do desejo: Performance, Territorialidade e Cinema no Festival Mix Brasil da Diversidade Sexual. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Florianópolis: PPGAS/UFSC.baixar

Cinema e subjetividade

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. 2009. A Tela Global: Mídias Culturais e Cinema na era hipermoderna. Porto Alegre: Sulina. baixar

RAUN, Tobias. 2010. Nascimentos em tela: explorando o potencial transformador em blogs de vídeo no YouTube. Cronos, 11(2). Revista do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais. Natal: UFRN. pp. 79-96. baixar

ABU-LUGHOD, Lila. 2003. Melodrama Egípcio: uma tecnologia do sujeito moderno? Cadernos Pagu, 23. Campinas: Unicamp. pp. 75-102.baixar

Gênero, Sexualidade e Cinema

LAURETIS, Teresa De. “A Tecnologia do Gênero”. In: HOLLANDA, Heloisa (org.). Tendências e Impasses – O feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. baixar

KAPLAN, E. Ann. 1995. “O Olhar é masculino?” In: A mulher e o cinema: os dois lados da câmera. Rio de Janeiro: Rocco. baixar

MULVEY, Laura. [1974] 1983. “Prazer visual e cinema narrativo”. In: XAVIER, Ismail (org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Edições Graal/Embrafilme. baixar

LOPES, Denilson. Cinema e Gênero. Sombras Elétricas, 5/6 (revista eletrônica). Novembro-Dezembro de 2005. Disponível em  http://sombraseletricas.webnode.pt/arquivo/cinema-e-g%C3%AAnero-(i)-denilson-lopes/ (duas partes) baixar   baixar

Cinema e o Pós-Colonial

SHOHAT, Ella; STAM, Robert. 2006. Crítica da Imagem Eurocêntrica. São Paulo: CosacNaify. baixar

TURNER, Terence. 1993. Imagens Desafiantes. Revista de Antropologia, 36: 81-121. São Paulo: USP.

MACDOUGALL, David. 2009. Cinema Transcultural. Antípoda: Revista de Antropología y Arqueología, 9. Bogotá: Universidad de Los Andes. baixar

ABU-LUGHOD, Lila. 2001. A interpretação de cultura (s) após a televisão. Cadernos de Antropologia e Imagem, 13(2). Rio de Janeiro: UERJ. pp. 103-109.baixar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>